Sem mais segregação

Desfazer os preconceitos por trás da denominada apropriação cultural passa por conhecer e respeitar as culturas originais de onde surgem os símbolos que queiramos adotar.

por Ana Beatriz Cavalcante Urze Rhomens Marques

O termo mais discutido depois do episódio em que uma garota postou, em seu facebook, que duas outras garotas, negras, abordaram-na no ônibus pedindo para que retirasse o turbante que usava na cabeça, é a apropriação cultural. Mas o que é isso?

Apropriação cultural é um conceito antropológico que se refere à adoção de alguns elementos específicos de uma cultura por um grupo diferente. O seu sentido é negativo, pois tal apropriação é feita por um grupo dominante em relação a um grupo oprimido.

Desde a época das grandes navegações, são evidentes a segregação e a marginalização de muitas culturas, uma vez que a cultura branca e europeia sempre foi mais valorizada. Com a chegada da globalização,  o rápido acesso a diferentes culturas abriu as portas para um novo jeito de ver essas diferenças, agora não mais a partir de um ponto de vista preconceituoso.

Além disso, vivemos em uma sociedade que preza a liberdade individual e o respeito. Vivemos em uma época de desconstrução de pensamentos, com o objetivo de unir toda a sociedade e igualar todos os indivíduos, acabando com o preconceito e a marginalização.

11013568_934426963285774_7827075776219593946_nA partir do momento em que se diz que uma pessoa branca não pode usar um turbante, cria-se uma barreira entre culturas, com a justificativa de que tal pessoa pertence ao grupo dominante. Uma pessoa branca usar um turbante mostra que há uma desconstrução de pensamento, pois aquele turbante já não é mais um símbolo marginalizado.

É claro que, por outro lado, a indústria da moda se aproveita dessa desmarginalização para simplesmente lucrar, sem ao menos dar atenção para a cultura original de onde aquele símbolo surgiu, defeito grave do mundo capitalista.

É necessário que a mídia e as pessoas, ao invés de enfatizarem apenas a separação e a diferença entre as culturas, comecem a observar e mostrar as origens culturais de cada símbolo que se queira adotar – inclusive roupas e adereços. Isso contribuiria para a diminuição da segregação e seria melhor do que não usar algo por medo, ou julgar quem usa.